Arraiolos

Arraiolos
Sub-região Alentejo Central



{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"small","userName":"Portuguese_eyes","tags":"arraiolos","order":"interestingness-desc","perPage":"1","limitPages":"1"}}

Foto de Vítor Oliveira

Lista de Municípios Portugueses

anuncio100x60.png


Arraiolos é uma vila situada no Distrito de Évora, região Alentejo e sub-região Alentejo Central, com cerca de 3.900 habitantes.

É sede de um município com 684,08 km² de área e 7.980 habitantes (2006), subdividido em 7 freguesias. O município é limitado a norte pelos municípios de Mora e Sousel, a leste por Estremoz, a sul por Évora, a sudoeste por Montemor-o-Novo e a noroeste por Coruche.

A vila é conhecida pela confecção dos Tapetes de Arraiolos. Situa-se a uma cota de altitude entre os 300 e os 400 metros.

Freguesias

As freguesias de Arraiolos são as seguintes:

História

Cunha Rivara, historiador Arraiolense, na sua obra “Memórias da Vila de Arraiolos”, depois de se referir à nobreza e antiguidade de Arraiolos, bem como a alguns aspectos históricos da sua origem, afirma:

“… seja como for, tenho por certo que em princípios do século XIII já havia povoação no sítio de Arraiolos…”

Certo é também que a abundância de vestígios relacionáveis com o final do Neolítico ou mesmo com o calcolitico são um sinal de uma significativa ocupação humana a partir do IV Milénio a.C. e, provavelmente, “na proto-História, o grande local de habitat corresponderia já à actual elevação onde se localiza o Castelo de Arraiolos".

É ainda Cunha Rivara que nos transmite as referências do padre António de Carvalho da Costa, na Corographia Portugueza (tomo 2º, Pág 525) e do Padre Luís Cardoso no Diccionario Geographico (tomo 1º, pág. 590) onde atribuem a fundação de Arraiolos a Sabinos, Tusculanos e Albanos, ocupantes que foram da cidade de Évora antes de Sertório e deram o governo de Arraiolos ao capitão Rayeo, nome grego. Deste nome, parece ter então derivado o nome da nossa vila, já que o nome Rayeo se foi denominando Rayolis, Rayeopolis, Arrayolos e hoje Arraiolos.

Porém, é em 1217 com a concessão do termo de Arraiolos pelo rei D. Afonso II, ao Bispo de Évora D. Soeiro e ao cabido da Sé da mesma cidade, que se inicia um novo capitulo da nossa história. Em 1290, Arraiolos recebe o primeiro Foral, de D. Dinis, e o mesmo monarca manda edificar o Castelo em 1305, sendo que no dia 26 de Dezembro de 1305 o Concelho representado por João Anes e Martim Fernandes, outorgou com o Rei o contrato para a sua feitura.

Arraiolos foi condado de D. Nuno Álvares Pereira - segundo conde de Arraiolos - a partir do ano de 1387. Antes de recolher ao Convento do Carmo em Lisboa, o Condestável do reino, permaneceu aqui longos períodos da sua vida. Em 1511 recebe Foral novo de D. Manuel.

Ao longo dos anos foram muitas as alterações do seu território. Tendo limites administrativos definidos a partir de 1736, sofreu, entretanto, várias alterações:

  • Inclusão no distrito de Évora (1835)
  • Anexação do concelho de Vimieiro (1855)
  • Anexação do concelho de Mora (1895)
  • Desanexação do concelho de Mora (1898)

Artesanato

Tapetes de Arraiolos

Foram séculos de história bordados à mão por gerações e gerações de bordadeiras que fizeram chegar até aos nossos dias o mais genuíno artesanato da vila, o “Tapete de Arraiolos”.

A referência escrita mais antiga que até hoje é conhecida está no inventário de Catarina Rodrigues, mulher de João Lourenço, lavrador e morador na herdade de Bolelos, termo de Arraiolos, onde, pelo ano de 1598, é descrita a existência de "hum tapete da tera novo avalliado em dous mill Reis."

Certo é ainda que as escavações arqueológicas realizadas na Praça Lima e Brito no inicio do século XXI, sob a responsabilidade da Arqueóloga Ana Gonçalves, sem prejuízo de uma investigação mais pormenorizada, induzem o inicio da produção de tapetes em Arraiolos para uma fase anterior ao século XV.

Património

O concelho, a par da riqueza da sua paisagem, é detentor de um vasto património edificado que a Câmara Municipal tem procurado preservar e valorizar. Deste conjunto destacam-se diversos monumentos nacionais e outros imóveis tais como o Castelo de Arraiolos, a Pousada de Nossa Senhora da Assunção, o centro histórico e o espaço envolvente da vila, o campo, onde se encontram vários monumentos megalíticos.

Templo Romano

Cronologia

  • Séculos II e III - templo romano cujas ruínas ficaram incorporadas na cabeceira da Igreja
  • Século XV - fundação do templo cristão, deduzida do vestígio mais antigo, imagem da padroeira
  • 1534, após reforma geral do templo cristão
  • 1715 - data aposta no dintel do pórtico, correspondente a reforma integral da fachada e interior

Bibliografia

  • PEREIRA, Gabriel, Antiguidades Romanas em Évora e seus Arredores in Estudos Eborenses, Évora, 1891
  • CORREIA, Vergílio, Monumentos e Esculturas, Coimbra, 1924
  • ALARCÃO, Jorge, Portugal Romano, Lisboa, 1973
  • ESPANCA, Túlio, Inventário Artístico de Portugal-Distrito de Évora, Vol. 8, Lisboa, 1975
  • ALARCÃO, Jorge, Roman Portugal, London, 1988

Ligações externas

Fotografias

Galeria dos nossos visitantes
As fotografias desta secção, em todos os artigos, são colocadas pelos nossos leitores. Os créditos poderão ser observados por clicar no rodapé em files e depois em info. As imagens poderão possuir direitos reservados. Mais informações aqui.

Sorry, no images found attached to this page.

Galeria Portuguese Eyes
As fotografias apresentadas abaixo são da autoria de Vítor Oliveira.

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"thumbnail","userName":"Portuguese_eyes","tags":"Arraiolos","order":"dateAddedDesc"}}

Mapa

Adicione abaixo os seus comentários a este artigo

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under GNU Free Documentation License.